Arquivo

Formação Ação para empresas

2018-06-07

A ACIFF está a desenvolver dois projetos de Formação-Ação que permitem a intervenção nas empresas a nível de formação e consultoria e destinados a Micro, Pequenas e Médias empresas.

O QIPME 2020 e o Dinamizar permitem uma análise e diagnóstico à empresa, possibilitando a elaboração de um plano de ação que após implementação nas empresas irá permitir melhorar os resultados, bem como o reforço das competências de gestão e dos recursos humanos.

Ao todo, os projetos permitem a intervenção em 55 empresas dos mais diversos setores de atividade que poderão usufruir nos próximos meses da intervenção de consultores e formadores especializados através de um sistema de Incentivos com um financiamento de 90% a fundo perdido.

A ACIFF disponibiliza-se para lhe dar a mais informações sobre estes projetos através do telefone 233401320.


Noticias Relacionadas

EPAT – CRIAÇÃO DE PROPRIO EMPREGO

2019-05-15

A ACIFF é Entidade Prestadora de Apoio Técnico (EPAT) por acreditação do IEFP, o que lhe permite prestar apoio técnico a promotores de projetos de criação do próprio
emprego ou empresa financiados pelo Programa de Apoio ao Empreendedorismo e à Criação
do Próprio Emprego (PAECPE) no âmbito de medidas e programas de apoio ao
empreendedorismo executadas pelo IEFP.

As EPAT prestam o seguinte apoio aos empreendedores:

- Apoio técnico prévio à aprovação do projeto de criação do próprio emprego ou empresa, contemplando o desenvolvimento de competências em empreendedorismo e apoio específico à criação e estruturação do projeto, incluindo elaboração de planos de investimento e de negócio.


- Apoio técnico à consolidação do projeto, nos dois primeiros anos de atividade da empresa, contemplando acompanhamento da execução do projeto aprovado e consultoria em aspetos relacionados com a gestão e operacionalização da atividade

Mais informações através do n.º 233401320.

Candidatura ACIFF – Formação-Ação – QIPME 2019/2021

2019-04-09

A ACIFF está a preparar uma candidatura ao programa formação-ação – QIPME, no âmbito do Portugal 2020, com o objetivo de apoiar os seus associados no desenvolvimento de formação e consultoria nas áreas de Organização e Gestão e Implementação de Sistemas de Gestão.

As empresas participantes beneficiarão de um incentivo a fundo perdido de 90% e deverão estar localizadas nas regiões NUT Centro.

Garanta a sua participação no programa através de uma pré-adesão.

Mais informação contacte:
ACIFF – Associação Comercial e Industrial da Figueira da Foz
Cristiana Mano
Telefone: 233.401.320

Para mais informações clique AQUI

Candidaturas a Estágios Profissionais até 15 julho

2019-03-22

Decorrem até 15 de julho as candidaturas à medida Estágios Profissionais.

São estágios com a duração de 9 meses (não prorrogáveis), com o objetivo de apoiar a inserção de jovens no mercado de trabalho e/ou a reconversão profissional de desempregados, através de uma experiência prática em contexto de trabalho.

As entidades promotoras podem ser pessoas singulares ou coletivas, de natureza jurídica privada, com ou sem fins lucrativos. Para as entidades promotoras, a comparticipação financeira do IEFP é baseada na modalidade de custos unitários, por mês e por estágio.
Os estagiários têm apoio com bolsa de estágio, subsídio de alimentação e seguro de acidentes de trabalho.
A candidatura é efetuada por submissão eletrónica, através do portal https://iefponline.iefp.pt
A ACIFF apoia os seus associados nas candidaturas a esta medida.

Para mais informações contacte o Gabinete Empresa da Associação 233 40 13 20 ou
geaciff.carla@aciff.pt

Novo Regime Contributivo dos Trabalhadores Independentes

2019-02-10

O ano de 2019 trouxe para os trabalhadores independentes abrangidos pelo regime simplificado de tributação (sem contabilidade organizada) alterações no que diz respeito ao apuramento de rendimento.

Assim, deixam de haver escalões e passa a haver declaração de rendimentos correspondentes à atividade exercida nos 3 meses anteriores.

Esta declaração de rendimentos deve ser feita trimestralmente, através da Segurança Social Direta, até ao último dia dos meses de janeiro, abril, julho e outubro.

O registo feito através do link: www.seg-social.pt e com a utilização de senha de acesso permite entregar a declaração obrigatória dos rendimentos trimestralmente, bem como ter acesso aos valores que lhes permitem a variação do rendimento declarado, a cada três meses.

Ficam sem obrigação de entregar esta declaração trimestral os trabalhadores independentes que sejam:
- pensionistas e titulares de pensão resultante da verificação de risco profissional com incapacidade para o trabalho igual ou superior a 70%;
- trabalhadores que acumulem a sua atividade com atividade profissional por conta de outrem, desde que o rendimento acumulado relevante mensal médio de trabalho independente seja de montante inferior a 4 vezes o valor do IAS;
- trabalhadores que a atividade independente e a outra sejam prestadas a entidades distintas;
- que estejam já obrigatoriamente enquadrados num outro regime de proteção social e a remuneração mensal média como trabalhador por conta de outrem seja igual ou superior a 1 vez o valor do IAS.
- advogados e solicitadores integrados obrigatoriamente na respetiva Caixa de Previdência;
- trabalhadores que exerçam em Portugal, com caráter temporário, atividade por conta própria e que provem o seu enquadramento em regime de proteção social obrigatório de outro país;
- proprietários de embarcações de pesca local e costeira que integrem o rol de tripulação e exerçam efetiva atividade profissional nestas embarcações;
- apanhadores de espécies marinhas e os pescadores apeados;
- titulares de rendimentos da categoria B resultantes exclusivamente de: contratos de arrendamento e de arrendamento urbano para alojamento local em moradia ou apartamento, e produção de eletricidade para autoconsumo ou através de unidades de pequena produção a partir de energias renováveis;
- Trabalhadores independentes no Regime da Contabilidade Organizada que não tenham exercido, em novembro, a opção de ficarem abrangidos pela declaração trimestral.

Todos os trabalhadores independentes que não se encontrem em nenhuma destas situações de exclusão têm de preencher na SSD a declaração trimestral de rendimentos.